RSS

Arquivo da categoria: Não categorizado

What makes you beautiful…


The Lord of the Rings Symphony..


I wish you all a happy new year filled with love!


Eu desejo a todos um feliz ano novo repleto de amor!


Cataract treatment without surgery may lie in activating protective protein


Cataract treatment without surgery may lie in activating protective protein.

Antioxidant Can Prevent Or Heal Cataracts And Other Degenerative Eye Disorders


Antioxidant Can Prevent Or Heal Cataracts And Other Degenerative Eye Disorders.

China impede crianças com deficiência de terem acesso à educação, informa organização de direitos humanos


China impede crianças com deficiência de terem acesso à educação, informa organização de direitos humanos

R7 19/07/2013

De acordo com relatório, escolas estão barrando estudantes com autorização do governo.

da Redação

Crianças com deficiência enfrentam obstáculos significantes no acesso à educação na China, e um número considerável delas sequer recebe instrução. É o que aponta relatório do Human Rights Watch, organização internacional independente voltada à defesa e à proteção dos direitos humanos.

De acordo com informações publicadas no site da organização, o governo chinês passou diretrizes que permitem às universidades restringir ou barrar o acesso de candidatos e estudantes com determinados tipos de deficiências físicas ou mentais.

Segundo apurou a organização junto ao governo local, existem pelo menos 83 milhões de pessoas na China com algum tipo de deficiência. Mais de 40% delas são analfabetas. Ainda de acordo com o relatório, enquanto o governo chinês tenta mostrar que todas as crianças estão matriculadas na escola primária, entre as  deficientes, segundo o relatório, 28% não têm acesso à educação à qual teriam direito.

O documento, de 75 páginas, informa quais são os problemas enfrentados por crianças e jovens com algum tipo de deficiência nas grandes escolas de suas comunidades. O material foi baseado em mais de 60 entrevistas, em sua maioria com crianças e jovens portadores de deficiência e seus pais, além de tomar como base dados do governo.

O governo chinês adotou regulamentações e regras para a educação de portadores de deficiência, prometeu aumentar a taxa de matrícula de crianças e cancelou mensalidades escolares para algumas delas. No entanto, segundo o relatório, algumas escolas estão negando a admissão desses estudantes, pressionando-os para sair ou até mesmo deixando de fornecer salas de aula apropriadas para ajudá-los a superar as barreiras relacionadas às suas deficiências.

Sophie Richardson, diretora da Human Rights Watch na China, confirmou que as escolas têm recusado o atendimento às crianças com deficiência.

— As crianças com deficiência têm direito de serem atendidas em escolas regulares como todas as outras crianças, e têm direito a suporte para suas necessidades específicas de aprendizagem. Mas em vez disso, algumas escolas falham ou simplesmente recusam providenciar a esses estudantes o que eles precisam.

Em uma decisão importante, o governo chinês confirmou A Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência (ou CRPD, na sigla em inglês) em 2008, que obriga o desenvolimento de um sistema de educação inclusivo no qual o modelo é totalmente acessível a crianças com deficiência e no qual elas brincam e aprendem juntamente com outras crianas. Pesquisas revelaram que estudantes portadores ou não de deficiência obtêm melhores resultados acadêmicos em ambientes inclusivos, quando recebem suporte adequado.

Atualmente, crianças deficientes são excluídas das escolas regulares a menos que consigam demonstrar “habilidade para se adaptar” ao ambiente físico e ao modelo de ensino das instituições. Embora um modelo inclusivo não possa ser estabelecido da noite para o dia, o governo chinês não possui uma estratégia clara e consistente na direção da inclusão, e emprega poucos recursos para educar estudantes com deficiência nas escolas regulares.

O estudo revela também a falência da Federação Chinesa das Pessoas com Deficiência e do ministro da Educação local, em combater a discriminação, garantir acomodação razoável nas escolas regulares e informar pais e crianças com deficiências de seus direitos e opções educacionais.

A organização internacional afirma que a China descumpre o estabelecido na Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência) e pede que o governo local estabeleça uma política de acomodações em sala de aula de acordo com a convenção, que apresente um mecanismo de monitoramento e forneça uma reparação efetiva em casos de discriminação, além de desenvolver programas de extensão para apoiar os pais das crianças com deficiência para que sejam informados sobre os direitos de seus filhos e opções de educação.

Pesquisadores desativam genes da síndrome de Down


Pesquisadores desativam genes da síndrome de Down

Silenciar cromossomo adicional em laboratório pode indicar novos tratamentos

 
 
Pessoas com síndrome de Down carregam uma cópia extra do cromossomo 21. 

 
Por Beth Mole e Revista Nature
A inserção de um gene pode amordaçar a cópia adicional do cromossomo 21 que provoca a síndrome de Down, de acordo com um estudo publicado na Nature em 17 de julho. O método poderia ajudar pesquisadores a identificar as rotas celulares por trás dos sintomas da doença, e a desenvolver tratamentos precisos.
“Essa é uma estratégia que pode ser aplicada de várias formas, e eu acho que ela já pode ser útil atualmente”, declara Jeanne Lawrence, bióloga celular da Escola Médica da University of Massachusetts em Worcester, e principal autora do estudo.
Lawrence e sua equipe desenvolveram uma abordagem para imitar o processo natural que silencia um dos dois cromossomos X carregados por todas as fêmeas de mamíferos. Os dois cromossomos contêm um gene chamado XIST (o gene de desativação do X), que, quando ativado, produz uma molécula de RNA que cobre a superfície de um cromossomo como um cobertor, bloqueando a expressão de outros genes. Em fêmeas de mamíferos, uma das cópias do gene XIST é ativada – silenciando o cromossomo X em que ela se encontra. 
A equipe de Lawrence dividiu o gene XIST em uma de três cópias do cromossomo 21 em células de uma pessoa com síndrome de Down. A equipe também inseriu um ‘interruptor’ genético que lhes permitia ativar o XIST ao inserir o antibiótico doxicilina nas células. Fazer isso reduzia a expressão de genes individuais ao longo do cromossomo 21 que, acredita-se, contribuem para os problemas de desenvolvimento que compõem a síndrome de Down.
Primeiros passos
O experimento usava células-tronco pluripotentes induzidas, que podem se desenvolver em muitos tipos de células maduras, então os pesquisadores esperam um dia conseguir estudar os efeitos da síndrome de Down em órgãos e tipos de tecidos diferentes. Esse trabalho poderia levar a tratamentos que abordam os sintomas degenerativos da síndrome de Down, como a tendência que os portadores da doença têm de desenvolver demência precoce.
“A ideia de desativar um cromossomo inteiro é extremamente interessante” na pesquisa da síndrome de Down, elogia o pesquisador de células-tronco Nissim Benvenisty, da Universidade Hebraica, em Jerusalém. Ele antecipa futuros estudos que dividem células alteradas em dois lotes – um com o cromossomo 21 adicional ativado, e um com ele desativado – para comparar como eles funcionam e respondem a tratamentos.
Pesquisadores já removeram o cromossomo adicional das células de pessoas com a síndrome de Down usando um tipo diferente de modificação genética. A técnica se baseava no fato de que células-tronco pluripotentes induzidas que carregam a terceira cópia do cromossomo 21 às vezes o ativam naturalmente – mas “é chato pra caramba”, brinca Mitchell Weiss, pesquisador de células-tronco do Children’s Hospital da Filadélfia, na Pennsylvania. “Você não consegue controlá-lo”.
Weiss, porém, lembra que o novo método tem suas próprias limitações: ativar o XIST pode não bloquear toda a expressão gênica no cromossomo extra, e isso poderia prejudicar resultados experimentais.
Mesmo assim, Weiss acredita que a abrodagem poderia produzir novos tratamentos para a síndrome de Down – e se provar útil para estudar outros transtornos cromossômicos como a síndrome de Patau, um transtorno do desenvolvimento provocado por uma terceira cópia do cromossomo 13.
Este artigo foi reproduzido com permissão da revista Nature. O artigo foi publicado pela primeira vez em 17 de julho de 2013.
sciam19jul2013

Argus II Prótese Retiniana


Terapia Genética-Retina


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 131 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: